15.4 C
Belo Horizonte
Friday, 16 / April / 2021
- Publicidade -

Dia do Sexo: fetiche por penetração grupal aumenta na pandemia

Mais Notícias

Viih Tube debocha de Juliete ao dar nome inusitado para partes íntimas

Juliette Freire no BBB21; advogada chama partes íntimas femininas com nome masculino.

Samarco pede recuperação judicial

A decisão também foi divulgada pela Vale em um comunicado ao mercado

Sorteio da mega-sena pode pagar R$ 27 milhões neste sábado

Aposta mínima custa R$ 4,50 e pode ser realizada pela internet

Choque com tropas deixa 11 manifestantes mortos em Myanmar

Em Taze, manifestantes enfrentaram militares com armas caseiras

Ele chegou: neste domingo (9/6), é comemorado o Dia do Sexo. Mas com a pandemia e a necessidade de distanciamento social, muitas pessoas têm convivido há meses com o temido tesão acumulado e não vão poder comemorar a data do jeito que gostariam.

De acordo com um levantamento feito pela rede social adulta Sexlog com mais de 4 mil usuários, enquanto a quantidade de pessoas que faziam sexo mais de três vezes por semana era de 29,9%, durante a quarentena o número caiu para 16,6%.

Esta diminuição na frequência sexual pode ter causado algumas mudanças nos fetiches sexuais por aí. O ménage continua invicto, com 68,9% de pessoas querendo praticá-lo pós quarentena, mas o swing ultrapassou a suruba nos desejos dos quarenteners, com 38% dos usuários com vontade de experimentar.

Mas o que chama mais atenção na pesquisa é o aumento considerável de interesse pelo gangbang. Dentre os mesmos usuários dos quais 7,1% já haviam praticado o fetiche antes da pandemia, 18,7% afirmaram querer praticar depois que a vacina sair.

Para quem não sabe, o gangbang é uma espécie de suruba em que, em um cenário com necessariamente mais de três pessoas, apenas uma delas é penetrada por todas as outras durante todo o ato.

Segundo a terapeuta sexual Tâmara Dias, esse aumento é justificável pelo período de confinamento, em que as pessoas ficam em abstinência e ressignificam antigos padrões.

“A pandemia faz as pessoas colocarem foco em outros aspectos da vida que antes não se permitia. A pessoa pensa: ‘tudo que não vivi por medo, vou fazer quando tudo isso acabar’. Nisso ela acaba usando a criatividade, ousando e até buscando extremos”, explica.

Riscos

Como se sabe, todo fetiche, desde que consensual de todas as partes, é saudável e muito bem-vindo. Contudo, a psicóloga faz um alerta para que as pessoas não deixem a sede de “tirar o atraso” deixá-las vulneráveis a situações de risco, não só de infecções sexualmente transmissíveis como de possíveis abusos.

“A pandemia mexe com o psicológico das pessoas, e a carência afetiva é um dos fatores que mais deixam as pessoas vulneráveis a abusos”, aponta. A dica é ir devagar e sempre procurar saber bem com quem se está mantendo uma relação. A regra é: são, seguro e consensual.

Reprodução: Pouca Vergonha

- Publicidade -

Mais Notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Últimas Notícias

Viih Tube debocha de Juliete ao dar nome inusitado para partes íntimas

Juliette Freire no BBB21; advogada chama partes íntimas femininas com nome masculino.

Samarco pede recuperação judicial

A decisão também foi divulgada pela Vale em um comunicado ao mercado

Sorteio da mega-sena pode pagar R$ 27 milhões neste sábado

Aposta mínima custa R$ 4,50 e pode ser realizada pela internet

Choque com tropas deixa 11 manifestantes mortos em Myanmar

Em Taze, manifestantes enfrentaram militares com armas caseiras

Funeral do príncipe Philip deve ocorrer no dia 17

Cerimônia estava planejada; rainha Elizabeth passa por 8 dias de luto