24.5 C
Belo Horizonte
Tuesday, 18 / May / 2021
- Publicidade -

MP reinstitui dispensa de licitação para compras relacionadas à covid

Mais Notícias

Petrobras bate recorde de vendas de diesel S-10

Derivado tem menor impacto ao meio ambiente

RhinnoAd Comunicação lança novo portal de notícias de negócios integrado ao ExpressoMinas.com

Novo portal de notícias de negócios e marketing foi lançado ontem dia 14 de maio.

Guedes reafirma interesse em aprofundar parceria comercial com EUA

Ministro conversou com nova secretária de Comércio norte-americana

Custo da cesta básica aumenta em 15 capitais em abril

Florianópolis lidera ranking no custo de kit básico de alimentação

As compras de bens e serviços relacionados ao enfrentamento da pandemia de covid-19 poderão voltar a ser feitas com dispensa de licitação.

A flexibilização das regras consta da Medida Provisória (MP) 1.047, sancionada hoje (4) pelo presidente Jair Bolsonaro.

Entre os bens abrangidos pelas regras simplificadas, estão vacinas, medicamentos, material hospitalar e serviços de engenharia nos hospitais. De acordo com a MP, bens usados podem ser adquiridos sem necessidade de licitação, desde que o fornecedor se responsabilize pelas condições de uso e funcionamento.

Segundo o Palácio do Planalto, a maior parte das medidas restabelecidas pela MP constava das leis 13.979 e 14.065, de 2020, que haviam expirado em 31 de dezembro do ano passado. Caberá ao Ministério da Saúde editar um ato definindo o prazo de vigência das condições excepcionais de contratação.

Em nota, o Ministério da Economia informou que a medida provisória permitirá garantir que bens, serviços e insumos usados no combate à pandemia cheguem de forma mais rápida à população, promovendo o combate à situação de emergência sanitária e ajudando a recuperar a economia. A pasta informou que a MP não tem impacto sobre as contas públicas, porque se trata apenas da adaptação das rotinas internas de órgãos federais e de entidades.

“O governo prevê a racionalização das compras, com minimização de custos – administrativos e financeiros – bem como a mitigação de esforços operacionais por cada órgão e entidade na garantia do atendimento à população, sem afastar o adequado processo administrativo, as justificativas para alocação dos recursos e a transparência ativa de todas as compras de governo”, destacou o Ministério da Economia no comunicado.

Edição: Nádia Franco

- Publicidade -

Mais Notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Últimas Notícias

CPI da Covid: Ernesto diz que não fez declarações “anti-China”; senadores contestam o ex-ministro

Em seu depoimento na Comissão Parlamentar de Inquérito que analisa a gestão da pandemia de Covid-19 pelo governo

Modelo Bianca Domingues disse que estava fazendo sexo com MC Kevin antes do artista cair de varanda de hotel

A modelo Bianca Domingues e o funkeiro MC VK revelaram à Polícia Civil que estavam com o cantor no momento do acidente

Câmara discute destino de precatórios do Fundef

Destino de parte dos recursos ainda não pagos está em análise