15.5 C
Belo Horizonte
Thursday, 24 / June / 2021
- Publicidade -

Após Superliga, brasileiros miram eliminatórias para Mundial de rugby

Mais Notícias

Tóquio 2020 proíbe álcool, comemorações e pedidos de autógrafos

Regras valem dentro e fora dos estádios para diminuir interação

Brasil vira no último quarto e vence Polônia pela 2ª vez

Foi o teste derradeiro antes da estreia no Pré-Olímpico na terça (29)

Confirmado: 41 casos de covid-19 na estréia da Copa América

Números se referem ao dia da estreia da competição

Seleção brasileira chega ao Rio para jogo contra Peru

Reservas treinam em Brasília antes da viagem

Após ser representado pela primeira vez na Superliga Americana (Slar), o rugby masculino do Brasil se volta às eliminatórias da Copa do Mundo da França, em 2023. Os Tupis, como é conhecida a seleção nacional, buscam disputar a competição pela primeira vez.

As duas primeiras etapas das eliminatórias estão previstas para Montevidéu (Uruguai), em junho. Na inicial, os brasileiros terão pela frente Chile, Paraguai e Colômbia, em formato a ser definido. Os dois melhores se unem os anfitriões uruguaios na segunda fase, que define dois classificados à fase final, que também envolverá Estados Unidos e Canadá, em novembro. Destes quatro finalistas, dois se garantem de forma direta na Copa e um disputa uma repescagem mundial, no ano que vem. Melhor seleção do continente na última edição, em 2019, a Argentina já tem vaga assegurada na França.

“É um caminho muito difícil. Teremos que ganhar de [seleções como] Paraguai e Chile, que está crescendo. Depois, do Uruguai, de quem ainda não ganhamos. O desafio é gigantesco. A maneira mais simples [de lidar] é pensarmos jogo a jogo, trabalharmos duro e chegarmos em nossa melhor versão. A pressão não precisa ser maior do que ela já é”, avaliou o capitão Felipe Sancery em entrevista coletiva nesta quarta-feira (5).

Os Tupis chegam embalados pelo desempenho na reta final da primeira fase da Slar. A base da seleção masculina disputou a competição pela franquia brasileira Cobras. Além das vitórias sobre Cafeteros Pro (Colômbia), por 22 a 14, e Selknam (Chile), por 21 a 20, nas duas últimas rodadas do segundo turno, realizado em Montevidéu, a equipe teve boa atuação contra o Olimpia Lions (Paraguai), apesar de derrota por 19 a 15. Para efeito comparativo, no turno inicial, em Santiago (Chile), o time verde e amarelo havia perdido dos paraguaios por 44 a 8 e dos chilenos por 66 a 10.

O Cobras finalizou a Superliga em quinto lugar entre seis equipes, com três vitórias em nove jogos, disputados em um intervalo de 42 dias. A franquia não se classificou ao mata-mata, que reuniu os quatro melhores times da primeira fase. Os brasileiros não puderam atuar na primeira rodada, contra o Jaguares XV (Argentina), por causa de um surto de casos do novo coronavírus (covid-19) no elenco, que culminou em uma derrota por W.O.

“Tivemos, primeiro, três casos. Depois, repetimos o teste e apareceram os outros oito. Até a ida para o Chile e o primeiro treino, foram 13 dias isolados no quarto. Foram semanas duras. A gente parava de pensar em desempenho e sim em conseguir participar do Slar. Tentamos adaptar os treinos para o virtual, alguma análise de vídeo do que tínhamos feito, para manter os atletas conectados com o jogo. Fomos bem contra o Peñarol [Uruguai, derrota por 33 a 24], mas isso nos custou a recuperação nos próximos jogos. Oscilamos entre um jogo satisfatório e um ruim. A partir do segundo turno é que nos encontramos como equipe”, analisou Fernando Portugal, assistente técnico do Cobras e treinador dos Tupis.

“Fisicamente, você vai se adaptando. Os caras [preparação física e fisioterapia da seleção] fizeram milagre para a gente se manter em competição. O mais difícil foi o [desgaste] mental. Durante o torneio, você não sente tanto, mas desde que cheguei em casa, parece que peguei um elevador emocional. Nessas horas que você sente a pressão que estava lá”, emendou Felipe.

Os jogadores que estiveram na Superliga terão duas semanas de folga até a retomada dos treinamentos, desta vez visando as eliminatórias da Copa do Mundo. O grupo que disputou a Slar deverá ser reforçado por atletas brasileiros que atuam no exterior e também defendem a seleção nacional.

“Na Slar, pensamos na estrutura, como jogarmos. Terminada a Slar, precisamos nos aperfeiçoar. A ideia é que agora a gente foque a parte técnica, na qualidade individual do jogador para que ele possa desempenhar da melhor maneira. Obviamente, ajustarmos estruturas de ataque e defesa. Teremos cinco semanas de preparação [até as eliminatórias]. Entendemos ser um tempo razoável”, concluiu Portugal.

Edição: Fábio Lisboa

Novo método psicológico é capaz de recuperar qualquer relacionamento

A psicologa e especialista em relacionamentos Renata Santos descobriu o REAL motivo de seu relacionamento não ser mais como no início (NADA A VER com a idade, beleza física ou rotina).
- Publicidade -

Mais Notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Últimas Notícias

Aprovação da reforma tributária é urgente e garante simplificação do sistema de arrecadação de impostos

Para o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), “a reforma tributária é fundamental”, mas “não deve gerar aumento de carga aos contribuintes brasileiros.”

Portaria restringe entrada de estrangeiros no país

De caráter temporário, medida está no Diário Oficial da União

Minas Gerais tem 45.245 mil óbitos pelo novo coronavírus

Minas Gerais registra 209 óbitos nas últimas 24h

Especialistas respondem porque é essencial tomar a segunda dose da vacina

Dúvida ainda é frequente entre brasileiros, que também questionam quais pessoas com comorbidades que podem vacinar contra a Covid-19

Brasil recebe novo lote com 300 mil doses da vacina da Janssen

Nesta sexta-feira chegarão mais 3 milhões de doses do imunizante
- Publicidade -
- Publicidade -