21.5 C
Belo Horizonte
Tuesday, 22 / June / 2021
- Publicidade -

Blogueiro bielorusso detido aparece em vídeo e diz estar bem

Mais Notícias

OMS alerta que vacinas estão escassas nos países mais pobres

Covax entregou 90 milhões de doses a 131 países

Merkel pede responsabilidade à Uefa nos jogos da Eurocopa em Londres

Semifinais e final serão no estádio de Wembley a partir de 6 de julho

Itália não exigirá máscaras ao ar livre a partir de 28 de junho

Casos de covid-19 e hospitalizações estão em queda

Mortes por covid-19 na Colômbia passam de 100 mil

Saúde alerta sobre possível escassez de remédios e oxigênio

Em vídeo postado nessa segunda-feira (24), o blogueiro bielorrusso Roman Protasevich, detido quando um avião da Ryanair foi forçado a pousar em Minsk, diz que está bem de saúde e reconhece ter atuado na organização de protestos em massa no ano passado.

Os comentários foram imediatamente rejeitados por seus aliados, que falam em coação.

“É assim que Raman se apresenta sob pressão física e moral. Exijo a libertação imediata de Raman e de todos os prisioneiros políticos”, escreveu no Twitter um líder da oposição bielorrussa, Sviatlana Thiskanouskaya.

Ao aparecer em vários canais do aplicativo de mensagens Telegram, Protasevich, vestindo um moletom escuro e com as mãos firmemente cruzadas na frente dele, afirma que está em uma prisão em Minsk e nega ter problemas cardíacos relatados por algumas redes sociais. Ele também parece ter uma pequena mancha preta na testa.

Um vice-ministro das Relações Exteriores da Polônia disse ter ouvido da mãe do blogueiro dissidente que seu estado de saúde é muito grave.

“Recebemos um sinal da mãe de Roman Protasevich de que sua situação de saúde é muito grave. Isso é tudo que posso dizer sobre o assunto”, declarou Pawel Jablonski à emissora privada TVN24.

O presidente da Bielorrúsia, Alexander Lukashenko, de 66 anos, tem enfrentado o maior desafio de seu governo de quase 27 anos, com manifestantes que tomaram as ruas depois que ele foi declarado vencedor de uma eleição no ano passado, que alegam ter sido fraudada.

Cerca de 35 mil pessoas foram detidas desde o início dos protestos, em agosto de 2020. Lukashenko nega fraude eleitoral e acusa o Ocidente de patrocinar os atos.

Sanções

As potências ocidentais se preparam para impor sanções contra a Bielorrússia e cortar suas conexões de aviação, depois que o país usou um avião de guerra para interceptar uma aeronave da Ryanair e prender Protasevich.

Os líderes da União Europeia (UE), reunidos em Bruxelas, pediram que as companhias aéreas bielorrussas sejam banidas do espaço aéreo do bloco de 27 países e recomendaram às companhias baseadas na UE que evitem sobrevoar a ex-república soviética, segundo um comunicado conjunto.

Eles também concordaram em ampliar a lista de indivíduos bielorrussos que já sofreram sanções e apelaram à Organização da Aviação Civil Internacional (Icao) para investigar urgentemente o fato de a Bielorrússia ter forçado um avião da Ryanair a pousar em Minsk, num voo Grécia-Lituânia no domingo (23).

“A reação deve ser rápida e severa”, disse o primeiro-ministro belga, Alexander de Croo, a jornalistas.

* Reportagem adicional de Alan Charlish 

- Publicidade -

Mais Notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

O que deixou o Brasil à beira de uma crise hídrica histórica?

Irregularidade das chuvas ameaça abastecimento de água, impacta safra e encarece conta de energia no Brasil

BH amplia vacinação para todas as gestantes e puérperas sem comorbidade

Gestantes de qualquer idade e sem comorbidades são vacinadas em BH

Estado abre nova turma do curso de Liderança para Retomada Econômica para prefeirutas

Capacitação para prefeituras proporciona identificação, criação e entrega de soluções para recuperação financeira pós-covid-19

Minas Gerais tem 44.623 mil óbitos pelo novo coronavírus

Minas Gerais registra 40 óbitos nas últimas 24h

Minas Gerais recebe 26º lotes de vacinas contra covid-19

Imunizantes - 862 mil doses da AstraZeneca - chegam ao estado para reforçar vacinação dos grupos prioritários
- Publicidade -