23.9 C
Belo Horizonte
Sunday, 25 / July / 2021
- Publicidade -

Caminhões autônomos movimentam peso de 35 mil ‘Maracanãs’ em mina de Minas Gerais

Mais Notícias

O futuro da Indústria é o Lean 4.0

Essa metodologia, que nasceu no chão de fábrica automotivo, é hoje reconhecidamente uma das melhores práticas de gestão industrial, e seu sucesso fez com que se expandisse também para outros segmentos

Astrofísica brasileira na China: “Vivemos era de ouro na astronomia”

Pesquisadora lista avanços na conquista do espaço neste ano

China prepara-se para enviar tripulação à sua estação espacial

Composta por três astronautas, tripulação será enviada em junho

Chegada do 5G deve revolucionar a indústria brasileira

Tecnologias como os carros autônomos e a telemedicina devem avançar com sua implementação
- Publicidade -

A Vale movimentou 100 milhões de toneladas de material na mina de Brucutu, que produz minério de ferro em São Gonçalo do Rio Abaixo (MG) com caminhões fora de estrada autônomos, que circulam sem operador na cabine, desde a implantação do projeto, em 2016.

Não há registro de acidentes causados pelos caminhões autônomos, as emissões de carbono caíram devido ao menor consumo de combustível e a produtividade da mina aumentou. 

Cada caminhão tem capacidade para transportar 240 toneladas e os veículos são controlados por sistemas de computador, GPS, radares e inteligência artificial, percorrendo a rota entre a frente de lavra e a área de descarga.

Os veículos autônomos começaram a ser utilizados em 2016 em modo de teste. Em 2019, todos os 13 caminhões que circulam em Brucutu já utilizavam a nova tecnologia, fazendo dela a primeira mina do Brasil com operação 100% autônoma. O material movimentado desde 2016 corresponde ao peso de 35 mil estádios do Maracanã. Os caminhões já percorreram 1,8 milhão de km, o que representa 46 voltas ao redor da Terra. 

Nos últimos cinco anos, houve redução no consumo de combustível dos caminhões autônomos de 11% na comparação com os veículos tripulados, resultando em uma diminuição de 4.300 toneladas de CO2 por ano na atmosfera. A velocidade máxima dos caminhões, que era de 40 km/h, chegou a 60 km/h, enquanto a produtividade horária, medida pela quantidade de minério de ferro transportada por hora, teve aumento de 11% – cinco pontos percentuais a mais do que o esperado. 

Os pneus tiveram um aumento de vida útil de 35%, o que significa 10% a mais do que o esperado. Além de economia para a empresa, esse número gera menor descarte de resíduos. Os operadores que antes ficavam na cabine receberam treinamento e foram realocados para outras funções, sendo uma delas a operação nas salas de controle – com ar condicionado, sem vibração e ruídos –, a quilômetros de distância da frente de lavra. Com isso, as situações de risco envolvendo os operadores dos caminhões, como tombamento e colisão, foram eliminadas.

“São muitos resultados e aprendizados para serem celebrados com o nível atual de maturidade da mina autônoma”, explica o gerente-executivo do Complexo de Brucutu e Água Limpa, Jefferson Corraide.

Para o gerente, o principal avanço foi a redução da exposição de pessoas ao risco. “A mina se tornou mais segura, tanto pela tecnologia embarcada quanto pela disciplina exigida para tornar o processo sustentável e fluido. Os processos de otimização da operação autônoma vão além do caminhão e abrangem o complexo como um todo”. 

O gerente de Operação e Infraestrutura de Brucutu, Kléber Gonçalves, explica que dentro da área de lavra veículos tripulados e autônomos estão em constante interação e, para que ela seja segura, todos os veículos são adaptados. Isso permite aos caminhões autônomos traçar suas rotas e, de forma preventiva, reduzir a velocidade ou até mesmo interromper seu percurso, evitando acidentes. “Os equipamentos também possuem sensores que mapeiam e identificam, de forma contínua, o relevo, objetos e pessoas, de modo que a tecnologia autônoma pode paralisar a operação de um ou mais caminhões em caso de mudanças que não estavam previstas no trajeto determinado pelo centro de controle”, afirma. 

Funcionários operam os veículos tripulados e agora supervisionam todo o processo a quilômetros de distância dos veículos. Os operadores de equipamentos de Brucutu foram deslocados para outras funções na própria mina ou em outras unidades da Vale na região. Parte da equipe foi aproveitada na gestão e controle dos equipamentos autônomos, após ter passado por cursos de capacitação. 

O programa de autônomos da Vale continua em expansão, com um investimento total de cerca de US$ 40 milhões em 2021. No momento, a Vale realiza testes com caminhões autônomos em Carajás, além de investir em perfuratrizes autônomas. Atualmente há 11 delas em operações de Minas Gerais e Pará. Outro projeto em curso é de automatizar as máquinas de pátio, que já foi concluído na Malásia e está em implantação em quatro estados do Brasil.

- Publicidade -

Mais Notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Últimas Notícias

O futuro da Indústria é o Lean 4.0

Essa metodologia, que nasceu no chão de fábrica automotivo, é hoje reconhecidamente uma das melhores práticas de gestão industrial, e seu sucesso fez com que se expandisse também para outros segmentos

Caminhões autônomos movimentam peso de 35 mil ‘Maracanãs’ em mina de Minas Gerais

No local, veículos da Vale transportam minério de ferro sem operador na cabine desde 2016. Segundo a empresa, tecnologia diminuiu emissões de carbono e aumentou produtividade.

Mamografias logo após vacina contra covid-19 não é recomendada

Recomendação é que se espere de duas a quatro semanas

Exercício físico com supervisão é benéfico na pandemia

Saúde mental e física melhoram mais quando prática é supervisionada
- Publicidade -

Mundo Go!

Confira as propriedades e benefícios da cenoura

A cenoura é um vegetal com qualidades benéficas tanto para a saúde como para a estética. Ela é utilizada há muitos anos como remédio e também como bálsamo de beleza. Vamos ver algumas das propriedades mais interessantes desse vegetal e os benefícios que oferece ao organismo.

4 super dicas de como cuidar de samambaia

Se você está procurando como cuidar de samambaia, ficará feliz em saber que essa não é uma tarefa tão difícil. Afinal, a samambaia é uma espécie resistente. Considerada uma das plantas mais antigas do mundo, ela espalha seu charme há 400 milhões de anos!

Aprenda a fazer Pizza Hut em casa | Receita

A pizza de massa fofinha com queijo gratinado e muito pepperoni da Pizza Hut, é uma das “iguarias” da mais tradicional pizzaria do mundo. E hoje você vai aprender a fazer essa maravilha na sua casa. Sim, é isso mesmo, nós do Feminix vamos te ensinar a fazer uma pizza com massa pan, com muito queijo, pepperoni, molho encorpado e o melhor, super crocante.
- Publicidade -
- Publicidade -