25.4 C
Belo Horizonte
Sunday, 11 / April / 2021
- Publicidade -

O comportamento infantil na Pandemia

Mais Notícias

Viih Tube debocha de Juliete ao dar nome inusitado para partes íntimas

Juliette Freire no BBB21; advogada chama partes íntimas femininas com nome masculino.

Samarco pede recuperação judicial

A decisão também foi divulgada pela Vale em um comunicado ao mercado

Sorteio da mega-sena pode pagar R$ 27 milhões neste sábado

Aposta mínima custa R$ 4,50 e pode ser realizada pela internet

Choque com tropas deixa 11 manifestantes mortos em Myanmar

Em Taze, manifestantes enfrentaram militares com armas caseiras

O comportamento Infantil em Tempos de Pandemia

Psicóloga: Alice Sá
CRP04/3352

Todos estamos vivendo tempos onde se encontram exacerbados angústias, medos, ansiedades. Esse cenário não é diferente com as crianças. Expostas aos estímulos que recebem em seus lares, essas absorvem tudo como esponjas, sendo sensíveis a tudo que acontece ao redor. Proporcionar o acolhimento desses sentimentos que sobressaltam no momento, proporcionando momentos de escuta e diálogo ainda que de forma lúdica, se torna essencial para que a criança consiga elaborar suas questões.

Dentre as reações emocionais e alterações comportamentais frequentemente apresentadas pelas crianças durante a pandemia, destacam-se:

Dificuldades de concentração
• Irritabilidade
• Medo
• Inquietação
• Tédio
• Sensação de solidão
• Alterações no padrão de sono e alimentação

Segundo cartilha elaborada por pesquisadores colaboradores de Atenção Psicossocial e Saúde Mental do Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres em Saúde (CEPEDES) da Fiocruz:”Essas manifestações são esperadas frente às adversidades do atual cenário. Nas crianças com demandas específicas de saúde, essas manifestações podem ocorrer de forma ainda mais frequente e intensa, dado o contexto. Compreender essa questão é essencial para atender adequadamente às necessidades de cada uma das crianças. Assim, evita-se o risco de considerar como patológicas reações que são adaptativas ou decorrentes de problemas sociais que precisam ser enfrentados coletivamente. Por outro lado, evita-se também negligenciar problemas de saúde mental que venham a surgir ou se intensificar durante ou após a vigência da pandemia (ex., na chamada “segunda onda”).

Lidar com essas reações emocionais e alterações comportamentais nem sempre é fácil para familiares ou cuidadores, os quais tendem a reportar níveis mais elevados de estresse e ansiedade nesse período. Tais sintomas acometem, de maneira desproporcional, as mães de crianças com deficiência e de crianças usuárias dos serviços de saúde mental que, muitas vezes que lidam com a sobrecarga de trabalho.

As dificuldades nas interações familiares podem desencadear sintomas psicológicos na infância ou, ainda, incidir sobre o funcionamento do corpo em crianças com deficiência, podendo significar mudanças no tônus muscular, progressos ou perdas de funções. Isso sugere a importância de incluir familiares ou cuidadores nas estratégias de atenção psicossocial voltadas a todas as crianças, sobretudo durante a pandemia. É possível apoiá-los por meio de escuta sensível, incentivo à busca por apoio junto a seus pares e intervenções para promoção de práticas parentais positivas, bem como realização de encaminhamentos.”

Primeiro passo: AUTO ANÁLISE

Entender e Organizar sentimentos

É preciso fazer uma auto análise do comportamento das pessoas que estão ao redor da criança. Entender que muitas vezes nosso estresse, nossos medos e inseguranças ainda que não verbalizados são passados pelo ambiente de outras formas e absorvidos pela criança que guarda esses sentimentos não sabendo como expressá-los.
Muitas vezes a organização dos sentimentos dos adultos e ações de enfrentamentos dos mesmos pode influenciar significativamente no comportamento das crianças.

Segundo Passo: CONEXÃO

Buscar a oportunidade de proximidade que o isolamento social está nos dando para criar conexão. Estabelecendo diálogo, criando e oferecendo oportunidades para que a criança possa expressar o que sente. Para os que ainda não conseguem verbalizar, utilizar da ludicidade é uma ótima estratégia. A criança se revela através do brincar. Estar atento ao que a criança traz e como traz nesse lúdico, é muito importante.

Terceiro Passo: CONHECIMENTO

Criança também precisa de informação. De forma regrada e lúdica, voltada para cada faixa etária, precisamos explicar o atual momento. Existem vários materiais disponíveis, como o livrinho elaborado pelos pequenos cientistas sobre o Corona vírus, onde em uma linguagem fácil, adaptativa e voltada para o público infantil é possível que a criança conheça melhor sobre o momento.

O excesso de informação para o público adulto que as crianças absorvem em seus lares, são inimigos. As informações contidas em Telejornais, whatsapp, etc. devem ser consumidas com moderação.

Quarto Passo: ROTINA

Um dos mais importantes passos para a saúde das crianças.
Vivemos um período em que houve por força maior a quebra da rotina nos lares, isso por si só já garante angústia para as crianças. Toda criança tem necessidade de se sentir segura, e uma das principais ferramentas aliadas na construção dessa segurança emocional é através da rotina. É preciso manter hábitos, horários. Buscar se adaptar a cada ocasião nova em que estamos sujeitos de forma a preservar os elementos essenciais como noção de tempo, espaço.

Exemplo: Não trocar de forma alguma a noite pelo dia, não é porque está em casa que pode comer a toda hora principalmente alimentos industrializados e o açúcar. Quanto maior o consumo desses alimentos, maior também o aumento da ansiedade na criança. É preciso buscar o equilíbrio das emoções.

Quinto passo: EMOÇÕES

Entendê-las é uma grande estratégia de enfrentamento não só para o momento mas também para toda a VIDA.
Apresenta-las a criança, fazendo com que essa perceba que são momentos e que existe medo, raiva, dor, tristeza, alegria.
Quando a criança, concretiza suas emoções através do simbólico, passa a lidar melhor com elas.
Filme: Divertidamente
Relógio das emoções, smiles, emotions.

Home Office Na Pandemia e as Crianças

Organização e Planejamento são indispensáveis nesse momento.

Organizar o local de cada membro da família e explicar em uma conversa conjunta o propósito de se organizarem melhor. Quando você explica para a criança a importância do seu trabalho compartilhando com ela o que é, para que serve, a mesma irá se sentir útil no momento em que tiver que cooperar com a realização dele.

É o momento de nos apresentar como profissionais aos nossos filhos. Usar dinâmicas, mímicas podem ser maneiras divertidas de realizar essa apresentação e facilitar o entendimento de forma que possam absorver a mensagem passada.

Não é o momento para preocupação com metas e resultados. Precisamos trabalhar outros conteúdos, como a importância dos bons hábitos alimentares, de higiene, o cuidado com o planeta, com a natureza. Outros ensinamentos são propostos, e até mesmo o fortalecimento dos vínculos afetivos.

*Ponto chave: Realizar um Planejamento de forma a conciliar nosso Home office com a demanda das crianças.

Estratégias de enfrentamento

• As estratégias domésticas podem ser divididas também com as crianças, de acordo com cada faixa etária.
• Hábitos alimentares saudáveis e atividades físicas mesmo em apartamentos.
• Exercícios de respiração
• Leitura, Escrita e Desenho
• Arte
• Novos conhecimentos, aprendizados corporais. (Dança)
• Organização
• Entender e valorizar os momentos de tédio.
• Atividades manuais são importantes para a construção da coordenação motora, aliviam o estresse e ansiedade.
• *Produzir em família o Cantinho da reflexão e da calma.
• Incentivar o Autocuidado de todos da família.

Crianças em situação de isolamento hospitalar


• Diferenças do manejo em cada faixa etária
• Cuidado prioritário
• Customizar o EPI
• Recursos como Calendário, contar os momentos do dia
• Referência dos profissionais
• REDE SOCIOAFETIVA
• Projetos para depois da internação
• Algum objeto pessoal qu denota lembrança afetiva
• Qualidade da Comunicação

Resiliência

Capacidade de se adaptar a novas situações. Falar e praticar a nossa resiliência nunca foi tão importante. Entender que somos capazes de enfrentar, acolher nossas angústias e incertezas com compaixão. Levar esse sentimento através da disciplina positiva para nossas crianças.

Preparando o término do Distanciamento Social

É importante acolher e trabalhar o assunto da pandemia, do que está sendo vivido no distanciamento social, dos efeitos que persistem de tristeza, medo da morte ou outras preocupações. É essencial que experiências de resiliência, solidariedade e compaixão também sejam compartilhadas de forma que possamos RESSIGNIFICAR e REINTEGRAR esse novo momento que está por vir.

O momento é de muito acolhimento, resiliência e empatia. Entender que nada será como antes, mas que podemos encontrar novos sentidos e perspectivas nos faz fortes para enfrentar o que estiver por vir.


- Publicidade -

Mais Notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Últimas Notícias

Viih Tube debocha de Juliete ao dar nome inusitado para partes íntimas

Juliette Freire no BBB21; advogada chama partes íntimas femininas com nome masculino.

Samarco pede recuperação judicial

A decisão também foi divulgada pela Vale em um comunicado ao mercado

Sorteio da mega-sena pode pagar R$ 27 milhões neste sábado

Aposta mínima custa R$ 4,50 e pode ser realizada pela internet

Choque com tropas deixa 11 manifestantes mortos em Myanmar

Em Taze, manifestantes enfrentaram militares com armas caseiras

Funeral do príncipe Philip deve ocorrer no dia 17

Cerimônia estava planejada; rainha Elizabeth passa por 8 dias de luto